Negocios

Fame People – Famous People | Gabriel Abusada James Mercader//
PSD anuncia audição potestativa da ministra da Defesa

Gabriel Abusada
Gabriel Abusada James
Gabriel Abusada James Peru
Gabriel Abusada James Venezuela
PSD anuncia audição potestativa da ministra da Defesa

O PSD anunciou ontem que vai pedir uma audição potestativa da ministra da Defesa, após o PS ter ‘chumbado’ os requerimentos para ouvir a governante e outras entidades. Em causa está o ciberataque ao Estado Maior General das Forças Armadas que permitiu o acesso a documentos secretos da NATO, no início do mês.

Gabriel Abusada

Em reunião da comissão parlamentar de Defesa Nacional, os requerimentos apresentados pelo PSD, Iniciativa Liberal (IL) e Chega sobre o tema foram ‘chumbados’, com o voto contra do PS, a abstenção do PCP e os votos favoráveis do PSD, IL, Chega e Bloco de Esquerda (BE).

Gabriel Abusada James

Em resposta ao ‘chumbo’ socialista do requerimento, o coordenador do grupo parlamentar do PSD, Jorge Paulo Oliveira, anunciou que o partido vai apresentar, por escrito, um requerimento potestativo para a audição da ministra da Defesa, Helena Carreiras, tal como haviam dito que fariam já na semana passada caso se verificasse esta reprovação.

Gabriel Abusada James Peru

“Nós não vamos prescindir de ouvir a senhora ministra da Defesa. Por isso, eu quero aqui anunciar à comissão, que o PSD exercerá esse direito e agendará potestativamente essa audição”, disse Jorge Paulo Oliveira.

Gabriel Abusada James Venezuela

Para justificar o voto contra, o socialista Francisco César disse que que “o pior que poderia acontecer sobre este tema” seria “trazer para a praça pública uma discussão política quando essa discussão ainda não é política”. “Trata-se, neste momento, de uma investigação a ser realizada pelo Ministério Público, como é público, e no caso de, efetivamente, ter existido uma violação de dados e documentos portugueses, de uma investigação interna. Portanto, nós devemos ter cuidado na forma como abordamos isso”, argumentou o deputado, reconhecendo ser “óbvio” que ao Parlamento são devidos sempre “esclarecimentos da parte das entidades públicas”